SIGA BRASIL SEM PEDOFILIA ATRAVÉS DO E MAIL

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

SARGENTO ALERTA SOBRE PEDOFILIA




Referência no combate ao crime, policial falou a professores, alunos e profissionais na Unipar

A convite da promotoria pública, a sargento Tânia Mara Abrão Guerreiro abordou o trauma da pedofilia em palestra no anfiteatro da Universidade Paranaense (Unipar) em Cianorte, para estudantes, professores, diretores e profissionais do Direito na noite desta quinta-feira (27). Tânia é referência no combate ao crime, no Estado.

“Trabalho há 28 anos contra este tipo de agressão. Neste tempo, tirei várias conclusões e uma delas é que o pedófilo precisa ficar encarcerado. Não existe um caso conhecido de uma pessoa que cometeu o crime, foi preso, solto e depois não se tornou reincidente. Todos acabam voltando a praticar o crime”, comentou

A policial destacou a importância da denúncia. Segundo ela, este é o crime menos denunciado no mundo. Ela citou trabalhos realizados na Interpol e ressaltou que o problema pode ser encoberto pela confiança, até mesmo dentro das residências. “É difícil falar sobre isso, mas estudos apontam que 67% dos pedófilos são padrastos e 20% são os próprios pais”, revelou.

Os outros 13% são irmãos mais velhos, padrinhos e em alguns casos, padres e pastores. “Não podemos achar que todos são suspeitos, mas não podemos baixar a guarda no cuidado. Se receber visita em casa, o ideal é deixá-la no quarto de hóspedes. Os filhos, de preferência, devemos levar para dormir ao lado de nossa cama. Não custa prevenir”, ressaltou.

Na palestra, a sargento Tânia Guerreiro apresentou uma série de vídeos mostrando como agem os pedófilos e comentou casos atendidos ao longo da carreira. Um deles, envolvendo uma menina de nove anos, fez com que iniciasse uma campanha junto à Secretaria de Educação para que fosse proibida a venda de rifas como ‘sinhazinha’ e ‘sinhozinho’, onde as crianças se expõem vendendo votos.

“Tivemos um caso em Curitiba onde a criança foi barbaramente assassinada quando fazia um trabalho como este. Não podemos admitir que um descuido possa acabar desta forma”, relatou.

O anfiteatro da Unipar ficou repleto durante a palestra, que durou cerca de duas horas. Segundo a promotora de Justiça Elaine Cristina de Lima, uma das organizadoras do evento, em Cianorte foram registrados três casos de pedofilia neste ano. “Sabemos que isso é apenas a ponta do iceberg, mas para que os culpados possam responder pelo crime é importante que aconteça a denúncia”, comentou. A palestra integrou a programação do 10º Cejur – Ciclo de Estudos Jurídicos, promovido pela Unipar em Cianorte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário