SIGA BRASIL SEM PEDOFILIA ATRAVÉS DO E MAIL

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS CONTINUA ASSUSTANDO


Uma das agressões mais graves contra crianças e adolescentes, segundo especialistas, é a sexual. As marcas deixadas por tal crime costumam ir além do físico, indo se instalar no desenvolvimento psicológico da vítima. E apesar das inúmeras campanhas para coibir tais crimes, eles continuam a acontecer cada vez com mais frequência, e o pior é que maioria nem chegam as autoridades competentes.  Os casos mais recentes, na Serra Gaúcha, aconteceram em Caxias do Sul, Garibaldi e Carlos Barbosa.

Em Caxias do Sul uma menina de apenas seis anos foi atacada por um 'amigo' da família, na noite da última segunda-feira, 5. Segundo a mãe, o homem de 60 anos, chegou em sua casa logo depois das 21h, e como era de confiança e amigo do marido (que ainda estava trabalhando) deixou as duas meninas - de dois e seis anos - brincando na sala com ele, enquanto foi fazer o jantar. Passados alguns minutos, a mãe notou que eles não estavam mais na sala. Preocupada se dirigiu até um dos quartos e lá se deparou com a filha de seis anos deitada sobre a cama e o homem em cima. A outra garotinha olhava sem nada entender.

Já em Garibaldi, a Polícia Civil está investigando o caso de uma menina de cinco anos que teria sido molestada por uma adolescente de 16 anos durante o banho. Nesses dois casos os agressores são pessoas de confiança da família. De acordo com os conselheiros tutelares, grande parte dos crimes são cometidos por pessoas muito próximas, o que dificulta ainda mais, já que muitas crianças - por medo e confusão - não conseguem contar o que está acontecendo.

Uma das armas mais eficientes contra esses criminosos ainda é a denúncia. Basta que a pessoa ligue para o Conselho Tutelar de sua cidade e explique o caso, sem necessidade de se identificar.

Em Carlos Barbosa, essa é uma das atitudes que vem sendo incentivada. No município, quatro casos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes estão sendo investigados pela Delegacia de Polícia Civil.  A idade das vítimas variam entre 7 e 14 anos. O caso mais grave é de uma adolescente, de 13 anos, que teria engravidado. O bebê nasceu, e já está com quatro meses. E a agressão mais recente aconteceu em agosto, quando um homem de 34 anos teria molestado uma menina de 7 anos. 

Em Bento Gonçalves, em maio, um caso de abuso sexual também chocou a população. Os responsáveis pelo ato foram presos em flagrante e conduzidos ao presídio Estadual de Bento, onde ficaram a disposição da Justiça. A pena pela prática de crime sexual contra menores de 14 anos varia de 8 a 15 anos de reclusão.

De acordo com o presidente do Conselho Tutelar, Moacir Camerini, um bebê de apenas um ano e sete meses estava sendo explorado sexualmente pela própria mãe. A mulher viciada em crack estava levando a menina para fazer programas com um idoso de 77 anos, a fim de conseguir dinheiro para comprar a droga. O crime foi flagrado por familiares do homem. Eles relatam que ouviram um choro de criança vindo do quarto da casa. Através da fechadura da porta flagraram o idoso com o órgão genital na boca do bebê, cuja cabeça era segurada pela mãe. O bebê passou por exames no DML que confirmaram que não houve conjunção carnal e foi entregue para a avó materna.

Como denunciar
Casos de abuso podem ser denunciados diretamente aos Conselhos Tutelares, Promotorias, Polícia Civil ou Brigada Militar. Também é possível denunciar pelo Disque 100.

Saiba mais
Algumas medidas de prevenção aos pais
- Dizer às crianças que "se alguém tentar tocar-lhes o corpo e fazer coisas que a façam sentir desconfortável, afaste-se da pessoa e conte em seguida".
- Ensinar às crianças que o respeito aos maiores não quer dizer que têm que obedecer cegamente aos adultos e as figuras de autoridade.
- Orientar sempre às crianças sobre opções do que fazer caso percebam más intenções de pessoas pouco conhecidas ou mesmo íntimas.

Esteja atento aos sintomas
- Terror e medo de algumas pessoas ou alguns lugares
- Temor irracional diante do exame físico
- Mudanças súbitas de conduta
- Rebeldia e delinquência
- Agressividade excessiva
- Comportamento suicida
- Achar que tem o corpo sujo ou contaminado

O que caracteriza abuso sexual
Abuso sexual: é todo ato ou jogo sexual, relação heterossexual ou homossexual cujo agressor está em estágio de desenvolvimento psicossexual mais adiantado que a criança ou o adolescente. Tem por intenção estimulá-la sexualmente ou utilizá-la para obter satisfação sexual. Estas práticas eróticas e sexuais são impostas à criança ou ao adolescente pela violência física, por ameaças ou pela indução de sua vontade. Podem variar desde atos em que não exista contato sexual (voyerismo, exibicionismo) aos diferentes tipos de atos com contato sexual sem ou com penetração. Engloba ainda a situação de exploração sexual visando a lucros como prostituição e pornografia. E mesmo com todas as campanhas, nos últimos meses, casos de abusos sexual contra crianças continuam acontecendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário